Make your own free website on Tripod.com
A BRINQUEDOTECA NA ESCOLA
(1996-1998)
CULTURA POPULAR E CIDADANIA
(1999)
MEMÓRIA E CULTURA POPULAR
(2000)
Patrocínio: RIOARTE e SATA

MEMÓRIA E CULTURA POPULAR - módulo II
(2001)
Patrocínio:
RIOARTE
SATA e ODEBRECHT

Lei Municipal de Incentivo à Cultura no. 1940/92
 
 
O INÍCIO
 O projeto cultural A BRINQUEDOTECA NA ESCOLA (1996-1998) objetivou formar o acervo
de uma brinquedoteca em escola pública a partir da construção de brinquedos com crianças.
Desde 1996 funciona uma Oficina de Criação na Escola Municipal Pedro Ernesto,
no Rio de Janeiro, onde crianças entre 8 e 13 anos criam e constróem brinquedos artesanais,
tendo como elemento impulsionador a Cultura Popular Brasileira.
Assim surgiu a Brinquedoteca Carretel de Folia.
 
 Revista Carretel de Folia n.º 1
NOVOS CAMINHOS
O projeto CULTURA POPULAR E CIDADANIA, para o ano de 1999, utilizou a riqueza lúdica da cultura popular brasileira
como fator aglutinador de diferenças físicas, sociais, econômicas e culturais.
O projeto desenvolveu-se em dois pólos de ação:
Escola Municipal Pedro Ernesto e Escola Municipal Gabriela Mistral.
Nesta última, foram feitas releituras dos brinquedos criados por alunos da Escola Municipal Pedro Ernesto,
que serviram de ponto de partida para a construção de novos brinquedos
com os alunos da Escola Municipal Gabriela Mistral
(bonecos e adereços).
Uma grande história repleta de capítulos, personagens, entremeada de pequenos contos,
festejos, poesia, canções foi contada formando uma grande rede que fala do Brasil e sua multiplicidade,
no que tange à celebração, solidariedade, riqueza cultural.
 É a criação artesanal de brinquedos contribuindo para aproximar diferenças na conquista da cidadania.

O projeto MEMÓRIA E CULTURA POPULAR atuou durante o ano de 2000 em dois pólos de ação:
Escola Municipal Pedro Ernesto e Escola Municipal Capistrano de Abreu.
A proposta entrelaçou Cultura, Educação e Memória contribuindo para a formação de uma consciência cidadã.
A expansão e dinamização do acervo de brinquedos artesanais proporcionou momentos de participação solidária
onde o respeito e a alegria coletiva foram a ordem do dia.
A Brinquedoteca Carretel de Folia expandiu seu alcance e aproximou-se efetivamente da comunidade,
envolvendo pais, vizinhos, parentes e amigos das crianças em um mergulho na história do bairro onde vivem.
Na Escola Municipal Capistrano de Abreu, a proposta abrangeu uma oficina de artes para alunos e comunidade
e o levantamento da memória afetiva do bairro (Horto, no Jardim Botânico) onde está inserida.
As crianças foram o grande elo entre a Equipe Veredas, responsável pelo projeto, e os moradores do bairro.
Parentes e vizinhos foram apresentados e contatados criando um grande circuito
em que a memória de um continua a partir das lembranças do outro.
Dessa forma, entrevistas foram feitas e os depoimentos recolhidos foram repassados para as crianças nos encontros da oficina de artes, que transformaram esses dados afetivos em pinturas, desenhos, maquetes, etc.
Essa releitura da história do bairro através de imagens permitiu a formação de um rico acervo de cores e texturas,
além da transcrição cuidadosa das fitas cassetes onde as entrevistas foram gravadas,
das reproduções de fotos antigas cedidas pelos moradores,
das cópias de matérias de jornais e revistas da primeira metade do século XX que tratam da história do bairro.


Bonecos construídos na Escola Gabriela Mistral

No ano 2001, o projeto MEMÓRIA E CULTURA POPULAR - módulo II deu continuidade
ao processo do ano anterior, atuando em três pólos de ação:
Escola Municipal Pedro Ernesto, Escola Municipal Capistrano de Abreu e Escola Municipal Gabriela Mistral.
Na Escola Pedro Ernesto, pólo central da Brinquedoteca Carretel de Folia,
o acervo de brinquedos foi dinamizado com ênfase nas danças e cantigas populares.
Uma viagem pelo Brasil através de ciranda, mineiro-pau, maculelê, maracatu
permeou os encontros com as crianças.
Na Escola Capistrano de Abreu, a oficina de artes organizou uma encenação teatral,
onde texto, figurinos, cenários e história foram criados por alunos.
Toda essa ambiência cênica mostrou-se fortemente impregnada de elementos de contos populares do Brasil e do mundo.
Foi preparado um cortejo brincante
em que as crianças cantaram e dançaram pelas ruas do bairro,
vestindo figurinos por elas criados e distribuindo versos, palavras, adivinhas e sorrisos.
Na Escola Municipal Gabriela Mistral, dando continuidade aos contatos e relações de trabalho estabelecidas
com a escola e arredores em projetos anteriores, o foco foi a pesquisa
sobre brincadeiras ao ar livre (praça, pátio da escola, praia),
ilustrada por entrevistas com moradores dos arredores e enriquecida por atividades culturais
oferecidas para pais, alunos e vizinhança.
O estreitamento de laços com o Instituto Benjamin Constant
ocorreu através de troca de visitas e vivências entre os alunos da escola e do instituto.
A aproximação com a comunidade da Vila Benjamim abriu portas para desdobramentos futuros,
tendo sido estabelecida uma parceria para a recuperação da horta e dos canteiros de flores da escola.

Bloco de sujo nas ruas do Horto, 2000

Desde 1996, a história da Brinquedoteca Carretel de Folia começou a ser contada.
Ao longo desses anos, pudemos observar e partilhar cada momento de expansão e crescimento: cada novo brinquedo,
cada nova idéia, cada nova história entrelaçada com outras tantas histórias.
Histórias do Brasil; histórias do povo brasileiro, ricas em sabedorias, inventividade e poesia.
As cores da alegria da cultura brasileira estão traduzidas nos bonecos-gigantes, nos jogos, nas maquetes,
nas casas e no brilho do olhar de cada criança que já passou pela Oficina de Criação de Brinquedos.
Essa é uma história de entrelaçamento de olhares e convivência prazerosa que continua a ser tecida.
O projeto MEMÓRIA E CULTURA POPULAR - módulo II, desenvolvido no ano 2001, faz parte dessa história.
 
Página Inicial